25 de junho de 2020

Turismo de Eventos: Maceió mantém calendário com apenas 13% de cancelamentos

Necessário para a contenção do avanço do coronavírus, o isolamento social impactou vários setores do turismo na capital alagoana. Apesar disso, o segmento de turismo de negócios, importante indutor de turistas para o destino, conseguiu manter uma estabilidade significativa no calendário de eventos previstos para este ano. De acordo com dados fornecidos pelo Maceió Convention & Visitors Bureau (MC&VB), parceiro da Prefeitura de Maceió na captação de congressos, feiras, simpósios, competições e afins, dos 16 eventos programados para este ano, apenas 13% foram cancelados em razão da pandemia.

Do total, 31% foram adiados para 2021, a exemplo do 23º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem, com público estimado em 6 mil pessoas, enquanto 25% aguardam nova data para a realização. Outros eventos, entretanto, foram remarcados para o segundo semestre deste ano, como o Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça (VI ENOJUS), que deve reunir cerca de 300 profissionais em dezembro. Mesmo com poucos cancelamentos,  todo o calendário segue em monitoramento pelo MC&VB junto às entidades de classe, com possibilidade de novas alterações caso o cenário ainda não esteja favorável para a retomada dos eventos.

Para a segurança dos congressistas, prestadores de serviços e comunidade em geral, os eventos devem seguir as normas indicadas nos protocolos sanitários da Prefeitura de Maceió, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer (Semtel), e dos governos estadual e federal. Entre as principais medidas recomendadas para a realização dos eventos no Protocolo Experimente Maceió, implementado pela Semtel, estão o uso obrigatório de máscara por todos os participantes e funcionários; disponibilização de dispensers com álcool em gel em todos os espaços; aferição de temperatura; distanciamento de cadeiras; oferecimento de serviços médicos e procedimentos para casos suspeitos; serviço de alimentação individualizada; higienização dos locais antes e após as realização dos eventos; diminuição da ocupação total dos eventos; entre outros.

De acordo com o titular da Semtel, Jair Galvão, as medidas de segurança sanitária serão de fundamental importância para a retomada do segmento, que tem papel decisivo na manutenção do fluxo turístico na capital alagoana. “O planejamento da retomada é essencial para que tenhamos um destino seguro e preparado para receber os turistas pós-pandemia. Em parceria com o MC&VB, vamos focar em um trabalho estratégico para a retomada as atividades do segmento, que tem um impacto significativo na economia municipal, para que o turismo de negócios volte a aquecer a economia, gerar empregos e ser um importante aliado na manutenção do fluxo de visitantes. Os poucos cancelamentos do calendário reforçam o potencial de Maceió para receber grandes eventos e confirmam a confiança no destino”, apontou o secretário.

Segundo a diretora-executiva do MC&VB, Danielle Novis, os protocolos são importantes para definir os novos passos do setor e oferecer mais segurança aos congressistas e entidades de classe. “Temos acompanhado diariamente o calendário de eventos para evitar cancelamentos e manter o relacionamento ativo com os representantes das entidades, seja negociando novas datas ou mostrando os diferenciais competitivos do destino Maceió. Nosso retorno, ainda sem data definida, seguirá rigorosamente as medidas oficiais determinadas pelos governos federal, estadual e municipal para uma retomada segura e responsável. Estamos atentos ao cenário nacional e esperamos que o segundo semestre seja de boas notícias”, completou Novis.

Impacto econômico de mais de R$ 67 milhões em 2019

O mercado de turismo de negócios e eventos é um dos principais segmentos responsáveis pela manutenção do fluxo turístico local ao longo do ano.  Além de contribuir diretamente na geração de emprego e renda para a população local, o segmento também fortalece a rede hoteleira, gastronômica e vários outros setores da cadeia produtiva do turismo. Somente no ano passado, por exemplo, segundo dados apresentados pelo MC&VB, o setor gerou um impacto econômico de R$ 67,5 milhões no Município.

Cláudia Leite (estagiária) / Ascom Semtel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *