25 de março de 2020

“É preciso ter responsabilidade e não relativizar uma pandemia”, diz Cibele Moura sobre declarações de Bolsonaro

Parlamentar reafirmou seu compromisso com o pequeno negócio e lembrou que o País precisa com urgência de um plano coordenado para estados e municípios

A deputada estadual Cibele Moura (PSDB) reafirmou, nesta quarta-feira (25), durante sessão on-line na Assembleia Legislativa, o posicionamento contrário às declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em relação ao isolamento social recomendado por especialistas em saúde do mundo todo para conter a pandemia de coronavírus (Covid-19). Cibele defendeu que é preciso “ter responsabilidade e não relativizar a gravidade de uma crise do tamanho da que estamos vivendo com a pandemia”, ela afirmou.

Ela disse que as declarações vêm no dia em que pela primeira vez o mundo adia as Olimpíadas sem ser em tempo de guerra, para mostrar a gravidade do problema. “Isso é perigoso. Ao relativizar, o presidente coloca a população a confrontar informações que está recebendo. A população fica sem saber em quem acreditar”, afirmou, lembrando a frase em que o presidente disse que pelo histórico de atleta dele curará a “gripezinha” muito facilmente.

Cibele lembrou ainda que tem como uma das principais bandeiras de mandato a defesa do empreendedorismo, do microempreendedor, do comerciante, do emprego, mas afirmou que é precisa ter senso de responsabilidade nesse momento. “Não é momento de politizar, de fazer política eleitoreira, mas a gente precisa ser muito sério e muito honesto nas nossas declarações. Temos que ter cautela. O mundo todo está indo em uma direção e nós, segundo o presidente, teremos que ir em outra? Isso é muito perigoso”, declarou.

A deputada ressaltou que o País precisa de um plano coordenado para estados e municípios para vencer a crise de saúde e econômica. “Ao meu ver, o presidente erra ao ir à tv e fazer um pronunciamento irresponsável. Defender o emprego, o comércio é uma das minhas bandeiras, mas a gente precisa do anúncio de um plano, de medidas concretas e coordenadas para estados e municípios. E isso faltou ontem. O presidente, mais uma vez, faz política em um momento onde tudo que a gente precisa é pensar na nossa população. Espero que o presidente siga a sua equipe, o seu ministro da Saúde, e que a gente consiga sair dessa crise o mais rápido possível”, concluiu.

Ascom Cibele Moura

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *