29 de julho de 2019

Adeal e secretarias municipais discutem ações de prevenção da raiva em Santana do Mundaú

A Agência de Defesa Agropecuária (Adeal) e as Secretarias de Saúde e de Agricultura de Santana do Mundaú, reuniram criadores e servidores para discutirem as ações compartilhadas sobre a vigilância da raiva humana e animal no município. A secretária de Saúde, Paula Cavalcante, explica que as atividades consistem na prevenção da doença por meio de educação e saúde. “A raiva humana e animal estão interligadas, temos que ter essa preocupação constante para minimizar os riscos da doença. Estamos engajados para fortalecer e colaborar realizando ações em conjunto”, disse.

O secretário de agricultura, Cícero Manoel, salientou a importância das informações para que a população esteja atenta nos casos de agressão por um animal. “É importante que todos sejam multiplicadores de informações, para que, em casos de agressão, as vítimas saibam que devem lavar imediatamente o ferimento com água e sabão e procurar com urgência o serviço de saúde mais próximo, para avaliação da situação. No caso de o agressor ser animal doméstico (cão e gato), não matar o animal e, sim, deixá-lo em observação durante 10 dias, para que se possa identificar qualquer sinal indicativo da raiva”, explicou.

Alguns cuidados com os animais:

.Manter seu animal em observação quando ele agredir uma pessoa.
.Vacinar anualmente seus animais contra a raiva.
.Não deixar o animal solto na rua e usar coleira/guia no cão ao sair.
.Notificar a existência de animais errantes nas vizinhanças de seu domicílio.
.Informar o comportamento anormal de animais, sejam eles agressores ou não.
.Informar a existência de morcegos de qualquer espécie em horários e locais não habituais (voando baixo, durante o dia, caídos).

Evite:

.Tocar em animais estranhos, feridos e doentes.
.Perturbar animais quando estiverem comendo, bebendo ou dormindo.
.Separar animais que estejam brigando.
.Entrar em grutas ou furnas e tocar em qualquer tipo de morcego (vivo ou morto).
.Criar animais silvestres ou tirá-los de seu “habitat” natural.
.O contato com saliva de animais doentes, através de mordeduras, arranhões ou lambeduras.

Fonte: Ascom Santana do Mundaú

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *