4 de novembro de 2015

Renan Filho propõe ‘protesto do bem’ em prol da saúde pública

Otimizar e reconduzir os recursos públicos para enfrentar as dificuldades econômicas no Estado tem sido as principais medidas adotadas pelo Governo de Alagoas. Nesse processo de reorganização dos investimentos, o segmento da saúde ganha destaque entre as propostas do governador Renan Filho, que lança para os alagoanos a ideia de um ‘protesto do bem’ a fim de construir uma rede de atendimento de saúde para ampliar o serviço no Estado. “Não vamos repetir a decisão de períodos anteriores, que optaram por não aprimorar a saúde pública porque o Estado não tinha como manter novas unidades. Isso mudou, essa postura ficou no passado. Por isso, eu proponho uma grande mobilização, um protesto do bem para que a saúde em Alagoas receba ajuda e desta forma a construção de uma rede com mais hospitais, clinicas e maternidades seja uma realidade no nosso Estado”, destaca Renan Filho. Com um hospital geral e uma maternidade pública disponível para toda a população, a cidade de Maceió dispõe atualmente de 600 leitos para atender mais de um milhão de habitantes. O problema, contudo, como ressalta o governador, não está nos serviços hoje presentes em Alagoas, mas sim, na urgência em multiplicar essas unidades de atendimento hospitalar por meio da viabilização de recursos e construção de um novo hospital metropolitano e de clinicas. Já quando se refere à carência de maternidades no Estado, Renan Filho segue em busca de investimentos para o desenvolvimento do setor. “Vamos inaugurar a Maternidade Santa Mônica [ainda este ano] e paralelamente a esse evento estaremos assinando uma licitação para a construção de uma nova maternidade em Maceió. Precisamos de um espaço que possa atender as mamães que estão fora do cenário de alto risco, garantindo a elas dignidade na hora de ter seu filho", assegurou o governador de Alagoas. Em meio ao cenário de crise vivido em todo país, o governador assegura que o Estado de Alagoas enfrenta o problema de cabeça erguida, propondo soluções eficientes e nunca desistindo do crescimento da região. “Nesse momento, é preciso ter cabeça aberta para mudanças e, sobretudo, para novas iniciativas. Devemos ser eficientes, mesmo que tenhamos que adotar medidas não tradicionais, mas que são necessárias para esse momento que Alagoas vive. Sem isso, não tem como o Estado sobreviver”, ressaltou Renan Filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *