2 de setembro de 2015

TJ medeia conciliação entre médicos do PAM Salgadinho e Prefeitura de Maceió

O desembargador Tutmés Airan de Albuquerque Melo, do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), mediou, na tarde desta quarta-feira (02), audiência de conciliação entre a prefeitura de Maceió e os médicos do Posto de Atendimento do Salgadinho (PAM), que deflagraram movimento grevista no último dia 3 de agosto, em razão de inadequações na estrutura da unidade de saúde. Tutmés Airan avaliou a audiência positivamente e destacou a disponibilidade de diálogo entre as partes. “Tivemos uma conciliação como talvez nunca tivesse existido antes. Os atores conversaram olho no olho. Pude perceber que todos estão dispostos a resolver ou até mesmo minimizar os problemas da unidade. Há uma consciência de que a população carente precisa dos serviços”, afirmou. TJ medeia conciliação entre médicos do PAM Salgadinho e Prefeitura de Maceió Segundo o desembargador, relator do processo da greve, uma nova negociação está marcada para o dia 17 deste mês. Na oportunidade, a prefeitura de Maceió deve apresentar um cronograma de obras a serem feitas nos 14 pavimentos que compõem o Posto de Atendimento, além de um levantamento de possíveis unidades de saúde do município que possam receber os profissionais para prestar serviço à população, até a adequação do PAM. “A Justiça tem agido como indutor do diálogo entre as partes. Um diálogo franco, honesto, transparente, como todos puderam ver. Todo mundo pôde se manifestar. E o que me alegra é que mais do que resolver o processo, podemos transformá-lo em uma alavanca para a melhoria da saúde”, declarou Tutmés Airan, ressaltando que mesmo a greve chegando ao fim no dia 17, novas etapas de enfrentamento para a resolução do problema serão estabelecidas. O presidente do Sindicato dos Médicos de Alagoas (SINMED), Wellington Galvão, informou que a categoria mantém o movimento grevista até que a Prefeitura de Maceió apresente solução para os problemas. “Espero que o município cumpra sua responsabilidade com a saúde da população e não coloque o médico para trabalhar em local inadequado, já que isso expõe tanto o profissional quanto o usuário a riscos”, pontuou.

Município

O procurador-geral de Maceió, Estácio da Silveira Lima, destacou as providências que o município tomará para que a greve termine. “Na verdade, a prefeitura já vem fazendo, mas a categoria coloca como se nada estivesse sendo feito. Desde o início da gestão, temos feitos reparos no PAM, além disso há obras que estão sendo planejadas, inclusive com processos de licitação concluídos e em andamento.” O representante do município disse ainda que a crise financeira enfrentada pelo país é um dos motivos que dificultam a execução das obras. “Infelizmente, por causa de toda a burocracia e dificuldade que envolvem o serviço público, além da crise financeira que enfrentamos, essas obras não andaram na velocidade que a gestão esperava”, falou Estácio Lima, ressaltando a preocupação do município em atender as reivindicações dos profissionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *