23 de setembro de 2015

Secretário Agricultura de Penedo acompanha primeira colheita de soja no estado

Para fugir da crise no setor sucroalcooleiro de Alagoas, a ordem é diversificar culturas. Apostando no potencial do estado e em suas terras, o empresário do agronegócio, Everaldo Tenório, reuniu a imprensa, empresários, secretários de Agricultura dos municípios e do Estado, além de empresas ligadas ao setor da terra, para mostrar a primeira colheita de soja na Terra dos Marechais. O chamado ‘Dia de Campo’ ocorreu nesta terça-feira (22), no município de Campo Alegre. A primeira plantação e colheita de soja de Alagoas aconteceu na Fazenda Ribeira, antes destinada unicamente ao plantio da cana-de-açúcar para três usinas da região. “Nesta primeira plantação usamos no cultivo a Tracajá e Sambaíba, para detectar qual melhor se adapta ao solo e ao clima de Alagoas. A primeira colheita está sendo satisfatória. Da segunda em diante, a produtividade é bem maior. Essa é uma alternativa para Alagoas fugir da crise do açúcar e álcool. Para isso, possuímos boas terras e um porto a menos de 300 quilômetros. Várias usinas foram fechadas e podemos transformar o nosso estado em um grande produtor de soja e sementes”, pontuou o primeiro produtor a colher soja em Alagoas, Everaldo Tenório. A Fazenda Ribeira destinou 60 hectares para o cultivo da soja sem modificação. Toda a safra já foi vendida para a Europa e vai ser embarcada via porto de Sergipe. Uma empresa montou no estado vizinho um terminal de embarque exclusivo para a leguminosa que começa a ser produzida no Nordeste. Nesta primeira venda, o comprador exigiu soja sem modificação. A partir da segunda, poderá ser cultivada e comercializada para o exterior a transgênica, soja geneticamente modifica. Everaldo Tenório é um grande produtor da commoditie agrícola no Pará. Aqui em Alagoas é a primeira vez que cultiva soja e com os resultados, pretende aumentar a produção. Nesta primeira colheita, estima 50 sacas de 60 kg por hectare, ao valor de R$ 70/saca, dependendo da variação do dólar. O preço do cultivo por hectare é de R$ 2 mil e o lucro com uma boa safra pode chegar aos 50%. “É notória a situação do setor da cana em Alagoas. Vários estados já perderam a sua dependência, a exemplo dos nossos vizinhos Sergipe e Pernambuco. O resultado de anos sem uma política voltada a agricultura, sem incentivos, estamos sofrendo agora. Esse é um grande passo para perdermos as amarras da colonização: Um empresário corajoso e um novo Governo que já iniciou pensando na agricultura, no homem do campo. Nosso estado possui terra, basta incentivo para que todos possam investir na diversificação. São atitudes ousadas como estas, em um momento de crise, que podemos encontrar soluções para superar. Parabéns ao empresário Everaldo Tenório e ao secretário de Estado da Agricultura Álvaro Vasconcelos”, concluiu o secretário de Agricultura de Penedo Ricardo Araújo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *