7 de setembro de 2015

Matemática muda a vida de jovens da rede pública

Há dez anos, o jovem Indiana Jhones dos Santos não imaginaria que seria um campeão da Matemática: para poder ajudar os pais, pescadores do povoado do Poxim, em Coruripe, o garoto abandonou os estudos para trabalhar. Ficou quatro anos fora da escola até voltar em 2008. Nesta época, o incentivo de Djalma Félix, seu professor na Escola General Góes Monteiro, na rede municipal de Coruripe, mudaria a sua vida. Foi o professor que descobriu o talento de Indiana para a Matemática e o estimulou a participar da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP). A paixão recém-descoberta pelos números não demorou a render resultados e a primeira medalha de bronze veio ainda em 2009. Outro bronze viria em 2010 e, no ano seguinte, Indiana alcançou sua mais alta premiação, a medalha de ouro, fato que chamou a atenção da mídia nacional e lhe rendeu homenagens do Governo de Alagoas e da Prefeitura de Coruripe. Na última quinta-feira, 3, o garoto com nome de herói do cinema recebeu sua sexta medalha na competição, referente à edição 2014 da Olimpíada. Cursando o 3º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Djalma Barros Siqueira, em Coruripe, ele vai se submeter ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em outubro e não tem dúvidas sobre qual carreira seguir após a conclusão da Educação Básica. “Vou prestar Enem para Matemática, pois quero continuar atuando nesta área”, conta. Para o jovem, a participação na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas e o incentivo de seus professores foram fundamentais nesta decisão. “A OBMEP me fez gostar mais de estudar”, afirmou o jovem com nome de herói do cinema.

Transformação

Outra campeã da OBMEP que também vivenciou mudanças em sua trajetória foi a Escola Estadual Manoel de Matos, de Santana do Mundaú. Há cinco anos, a unidade foi vítima da destruição causada pelas enchentes que atingiram toda a zona da mata alagoana. A força e a união da comunidade escolar superaram a tragédia das águas e, no ano de 2012, a instituição foi vencedora da etapa estadual do Prêmio Gestão Escolar, reconhecimento do Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) às escolas com experiências exitosas em gestão escolar. O prêmio rendeu à unidade de ensino intercâmbios com escolas dos Estados Unidos e Reino Unido. A décima edição da OBMEP marca outro momento de vitória e superação na história de escola, com a conquista de duas medalhas de bronze pelos alunos Pedro Lucas Cardoso Clemente e Paola Gomes da Silva, a premiação da professora de Matemática Hartênia Gomes e da própria escola, que foi agraciada com um kit para educação física. Para a diretora Quitéria Calado, a conquista na competição fortalece o compromisso contínuo da unidade em ofertar uma educação pública de qualidade para o município. “Esta premiação é uma motivação para toda a comunidade escolar, pois é fruto do esforço de nossos alunos e professores”, destaca a educadora. Paola Gomes, uma das alunas premiadas na escola, revela que o resultado alcançado na Olimpíada a surpreendeu. “Fiz a prova e não achei difícil, mas, mesmo assim, quando soube que tinha conquistado a medalha de bronze, fiquei feliz e também surpresa”, conta. Seu colega Pedro teve reação semelhante. “Gosto muito de Ciências Exatas e a Matemática é um hobby para mim. Ainda assim, também fiquei surpreso ao ver meu nome na lista de medalhistas”, fala.

Inclusão social

Além de estimular o interesse pela Matemática, a OBMEP promove inclusão social, pois possibilita que estudantes da rede pública de ensino recebam bolsas de pesquisa até o momento em que adentrarem o ensino superior. No momento, 70 alunos de escolas públicas recebem bolsas do Programa de Iniciação Científica Jr (PIC) e formação por professores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) em Maceió e Arapiraca. Já na universidade, estes mesmos estudantes estarão aptos a receber a bolsa do Programa de Iniciação Científica e Mestrado (Picme) que, atualmente, contempla 12 alunos em Alagoas. Um dos contemplados pelo PIC é Gabriel Farias, 15 anos. Quando aluno da Escola Estadual Adriano Jorge, o garoto conquistou dois bronzes e uma prata na olimpíada – esta última referente à edição 2014. Acompanhado pela mãe Damiana na solenidade de premiação, o garoto atribui o resultado ao apoio da família e da comunidade escolar. “Estou muito feliz com a medalha, gosto muito de Matemática. Este ano, vou em busca do ouro”, promete Gabriel, que atualmente estuda no Ifal Arapiraca.

Edição 2015

Uma uma iniciativa do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), com apoio do Governo Federal, a OBMEP visa estimular o estudo da matemática e revelar talentos na área, investindo nos estudantes que demonstram potencial na área com bolsas de iniciação científica e formações pela Ufal. As provas da segunda fase da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas 2015 ocorrem no dia 12 de setembro, às 14h30 (horário de Brasília) em todo o país e são esperados 20 mil participantes em todo o estado de Alagoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *