19 de setembro de 2015

Encontro discute matriciamento da saúde mental na Atenção Básica

A Coordenação de Saúde Mental de Secretaria Municipal de Saúde (SMS) reuniu-se na manhã desta sexta-feira (18), na sede do Conselho Regional de Psicologia (Farol), com profissionais de saúde, para dar andamento à proposta de matriciamento da saúde mental na Atenção Básica. O objetivo do matriciamento é garantir que as equipes se vinculem aos pacientes e se responsabilizem pelas ações desencadeadas no processo de assistência, garantindo a integralidade da atenção em todo o sistema de saúde. Para a concretização desse projeto, a Saúde Mental do município conta com diversos parceiros, como os profissionais de saúde dos Centros de Atenção Psicossocial, da SMS, dos residentes de Psiquiatria, Enfermagem e Residência Multiprofissional de instituições de ensino públicas e privadas, de educação permanente da SMS e do Projeto de Extensão da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) “MatriciaMENTE”, que dará suporte aos seis primeiros meses de execução desse projeto piloto nas unidades básicas. De acordo com Yanna Cristina Nascimento, professora do curso de enfermagem da Ufal e coordenadora do Projeto de Extensão “MatriciaMENTE”, a princípio esse projeto seria aplicado nas unidades Dídimo Otto Kummer (Conjunto Carminha) e USF Guaxuma, pertencentes ao 6º e 8º Distritos Sanitários, respectivamente. “A proposta é desenvolver esse projeto no período de seis meses com atividades realizadas semanalmente de forma intercalada entre supervisões e matriciamento. Em fevereiro faremos uma avaliação. Se for positiva, o matriciamento será estendido para as demais unidades da capital”, afirmou.

Como funciona?

O matriciamento é um suporte técnico especializado dado por uma equipe composta por especialistas em Saúde Mental, que é ofertado aos profissionais das unidades de saúde sempre que eles apresentem dificuldade em lidar com determinado caso relacionado à Saúde Mental, ajudando a qualificar as ações, treinando esses profissionais para que em outras situações semelhantes eles possam atuar de modo mais independente. Desse modo, não só os Caps prestariam assistência em Saúde Mental no município, mas também a Atenção Básica.

Construção do matriciamento

Para construir o matriciamento, são necessários os seguintes instrumentos: interconsulta (instrumento utilizado pelo profissional para compreender e aprimorar a assistência ao paciente), consulta domiciliar conjunta, contato à distância, uso de telefone e outras tecnologias de comunicação, projeto terapêutico singular, genograma (descrição representativa, resumida, das relações entre os membros de uma família) e ecomapa (representação gráfica dos diferentes sistemas da vida de um indivíduo e a maneira como eles o afetam; usado no aconselhamento social para analisar e avaliar as relações saudáveis ou não que um indivíduo tem com cada sistema).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *